Posted in English, Portuguese

A Escola

This is a corrected version of a spoken answer I gave to a question about a time I had been told off at school. My friend Márcio rewrote it in a more natural way to help me understand how it could be improved. I thought there were enough interesting mistakes getting corrected that it was worth transcribing the whole thing so I’d remember it better.

Eu estava na escola primária, há três anos quando* nós mudámos da casa. Eu e o meu irmão fomos para um nova escola primária, e quando estávamos na nova escola, havia um grupo de rapazes que decidiram que não gostavam de nós. Eram rapazes da minha turma** e da turma do meu irmão. Então eles disseram “Não gostamos de vocês! Vocês cheiram mal, então nós vamos bater-vós”.

Depois da aula, houve uma grande luta, e de alguma forma, dois desses rapazes malcriados ficaram magoados. Eu fiquei muito orgulhoso por ter sido capaz de me defender a mim e o meu irmão, mas infelizmente a professora não pensou da mesma forma de nós

*=I tried to write it as “quando tinha estado na escola” – literally “when I had been at school…” to see how well awkward British past tenses translated to Portuguese. The answer seems to be “not well”.

**=Turma = Class (in school)

My original speech was a great deal wordier than, so it’s nice to see it written out tidily like this. I seem to be making a lot of ser/estar type errors, as well as the occasional “estar” where a “ficar” would be better. These are all things I know but as usual they just don’t come out in the heat of the moment.

Advertisements
Posted in English, Portuguese

Key Learnings 6 – Maybe Not…

Yesterday I made a horrific discovery, namely that the phrase “pode ser” didn’t mean what I thought it meant. It really shook me to the core, because it was one of the stout workhorses of my vocabulary, ready to come out at a moment’s notice and bridge a gap in a sentence. As I said to my friend Márcio, who first questioned it:

Sobre “pode ser”: acreditei que significava “maybe” (talvez) mas perguntei a minha esposa e ela disse que quer dizer “It may be”, nem “maybe”.
Estou em choque. Foi uma das primeiras palavras/expressões que aprendi. Sinto-me como alguém informou-me que “obrigado” não significa “Thank you” ou “bom dia” não significa “good morning”. Devo deitar uns minutos…
Posted in Portuguese

A Fadista

img_20160926_215232Na segunda-feira, a minha esposa e eu fomos ao Barbican Centre, uma sala de concertos em Londres para ver um concerto da famosa cantora Ana Moura. O nosso sobrinho, que tem vinte e dois anos, cuidou da nossa filha. Ambos fomos directos do trabalho e mesmo assim quase chegámos atrasados. Sem surpresa, quando chegamos, ouvimos muitas vozes portuguesas no átrio, porque a Ana Moura é muito mais conhecida em Portugal do que em Inglaterra e vivem entre quarenta mil e cinquenta mil portugueses em Londres, a trabalhar principalmente na indústria de serviços.

O concerto começou com “Moura Encantada”, que é uma canção que conheço bem. Depois, cantou alguns fados tradicionais, cheios de saudade e pena, mas também cantou vários fados mais novos como “fado dançado” e até uma canção em inglês – img_20160926_215351Lilac Wine de Nina Simone. Ela disse que “Lilac Wine” é uma canção que representa o espírito do fado apesar de não ser portuguesa. Depois de três canções um homem na audiência gritou “Ah Fadista”. Aparentemente isto é um grande elogio para uma cantora. Finalmente, ela cantou as duas canções mais conhecidas, que se chamam “Dia de Folga” e “Desfado”.
Gostámos muito do concerto. Eu aproveitei para ouvir as palavras das canções, e além da Ana, ambos adorámos o som da guitarra portuguesa, tocada por Ângelo Freire.

Posted in English

Musical Terms

Discussing music today with Ana, I learned a couple of new terms I quite like:

Dançável – means “danceable”, or music you can dance to

Para abanar o capacete – means literally “to shake the helmet”, or more colloquially “for headbanging”.

Posted in English

Bitter Portuguese Guy Sings!

I enjoyed this because aside from being a good song in its own right, it’s a very rare example of a song in Portuguese that I can understand almost 100% without help

The guy singing it seems a little aggrieved with the views of the ladies in his life. Perhaps not quite ready to order his “Meninist” t-shirt online, but he’s definitely disgruntled. Well, that’s OK, we all have bad days, and he got a good song out of it, so who’s complaining? There doesn’t seem to be a translation online so I’ve done one myself

Os Maridos das Outras / Other People’s Husbands

Everyone knows men are brutes
Who leave beds unmade
And things unsaid
They’re not very astute, they’re not very astute
Everyone knows men are brutes

Everyone knows men are ugly
They leave conversations unfinished
And laundry to pick up
And they’re evasive, and they’re evasive*
Everyone knows men are ugly

But other people’s husbands, no
Because other people’s husbands are
The archetype of perfection
The pinnacle of creation

Docile creatures of a completely different species
Who always make their wives’ friends happy
And everything men don’t do
Everything men aren’t, everything men aren’t
Other people’s husbands are, other people’s husbands are

Everyone knows men are rubbish
They like music nobody likes
And never lay the table
Lower than a beast, lower than a beast
Everyone knows men are rubbish

Everyone knows men are animals
Who smell strongly of wine
And never know which way to go
Na na na na na na, na na na na na**
Everyone knows men are animals

But other people’s husbands, no
Because other people’s husbands are
The archetype of perfection
The pinnacle of creation

Amiable creatures of a completely different species
Who always make their wives’ friends happy
And everything men don’t do
Everything men aren’t, everything men aren’t
Other people’s husbands are, other people’s husbands are

 

*=”E vem com rodeios” actually means “they come with roundabouts”. I’m guessing the figurative meaning of this but I could be wrong.

**=Could he not think of a rhyme for Animais?

Original Portuguese Lyrics here

 

 

Posted in English

Moura Encantada

So here’s a good example of half-understanding a song and completely missing the point. I always thought this song was about a Moorish (Moroccan, Saracen, Muslim) sorcerer of some kind, but swotting up on my Ana Moura lyrics ahead of next week’s concert, I found out that it’s not that at all. Apparently a Moura is a fairy-tale creature from old Galician and portuguese legends. Reading the description on the Wikipedia page, it sounds an awful lot like a djinn/genie of Arabic folktales, so it’s not wholly fanciful that the moor in the sense of Moorish invaders (Mouros) and the Mouro/Moura of legend are bound up in some way, but it certainly illustrates the point that relying on half-understanding most of the words in a song can be deceptive!

Posted in Portuguese

O Consulado. 

Fui ao consulado ontem para levantar o meu certificado DEPLE. Os empregados falaram inglês comigo. Senti que devi responder em português mas estava preocupado. Se desse um erro, talvez não mo dariam. Afinal, quando já estava seguramente na minha mão suada, gritei “obrigado” e “até Novembro” e “adeus” e fui-me embora*

*= or “bazei” is a calão equivalent. 

Posted in Portuguese

As Grandes Mudanças No Estilo de Vida

A semana passada foi cheia de mudanças para a minha família. Desde que a minha filha nasceu, a sua mãe tem sido dona de casa e não voltou ao trabalho excepto durante três meses por causa do seu contrato que tinha com o seu empregador de antes da sua gravidez. Esta semana, afinal, ela recebeu uma oferta e começou a trabalhar num novo escritório no centro de Londres. No mesmo dia, a minha filha começou a sua escola nova. Ela está tão crescida agora! Não posso acreditar! Cada dia da semana, ela organizou um encontro com a sua amiga, e ambas andaram até à paragem de autocarro. 

Felizmente, hoje em dia, trabalho a maioria dos dias em casa, e por isso é relativamente fácil arranjar os nossos negócios. A Sra Lusk  sai do apartamento às oito menos um quarto de manha, enquanto que a Olivia fica a comer o pequeno almoço. Passado pouco tempo, ela sai também e eu continuo a trabalhar. Às vezes, faço uma pausa, e faço uma tarefa qualquer que precise de ser feita, ou talvez leia um livro ou escutar um podcast português. No fim do dia escolar, a Olivia e a sua amiga regressam ao apartamento e faço-lhes uma sanduíche enquanto que ela me diz sobre o seu dia e sobre as suas amigas novas. Mais tarde, a minha esposa volta também. 
Tenho cozinhado todos os dias desde o começo da escola. Gosto deste novo estilo de vida porque posso passar mais tempo com a minha filha e ao mesmo tempo, tenho muito tempo em casa sozinho em que consigo trabalhar muito. Existem outras vantagens também: vamos ganhar mais dinheiro, a Olivia tem mais independência, e ora bem, acho que a minha esposa estava um pouco aborrecida em casa todos os dias, mas agora tem um novo desafio. Sem dúvida, vamos encontrar muitos problemas no futuro porque falar-nos-á tempo fazer tudo que devemos, mas claro que muitos casais em toda parte têm problemas mesmos. Se tivermos problemas, não importa o que, lidaremos. Aconteça o que acontecer, vamos lidar com eles.

Todos temos de fazer sacrifícios
Todos temos de fazer sacrifícios

Espere. Um momento. Lembrei-me… Oh meus deuses! Terei de passar a minha roupa a ferro ! Se ela não aceitasse este trabalho, eu não teria de fazer isto! 😦



So I followed my list of gender rules and (bar a couple of occasions when I got it wrong myself) the only one where I applied a rule correctly and it was wrong was “um(a) sanduíche”. It’s a concrete noun ending in – e so in theory should be masculino but it’s not. Well, I said that rule was crap and this certainly seems like a good illustration of the point. 

Posted in English

Perdido em Tradução 

I put this in Twitter the other day but it seemed relevant to the blog too: I was playing with the subtitle feature on youtube to see if it would recognise what I was saying as actual Portuguese words but I left it on English language, and…